História da Vila

Mogadouro integra-se na conquista Árabe iniciada por Tarik, a batalha de Guadalete no ano de 711 em que derrotou o último rei Visígodo, Roderico e o nome de Mogadouro é de origem Muçulmana, segundo alguns estudiosos. O seu castelo foi construído no reinado de D. Afonso Henriques, nos anos de 1160 a 1165.Depois da Reconquista cristã e desde a fundação da Nacionalidade, as terras de Miranda foram alvo de numerosas batalhas, cercos e escaramuças, pelo que os castelos de Mogadouro e Penas Roías, juntamente com os de Algoso, Miranda, Outeiro e Vimioso constituíam a 1ª linha de defesa do Nordeste de Portugal controlando a Estrada Mourisca (via secundária que cruza o Planalto de Norte a Sul e o liga à capital do “Conventus”- actual Astorga – durante a ocupação Romana). O primeiro foral foi-lhe concedido por D. Afonso III em 27-12-1272 e em 18-12-1273, isto quando o monarca se encontrava em Santarém. A Vila, concedida aos Templários, principiou a ser murada (que só foi concluída no reinado de D. Dinis) e a paróquia passou à categoria de priorado dessa ordem monástica militar.

O prior seria um Freire com votos; ou seja um frade guerreiro. O foral seria renovado por D. Dinis em 1297 e pelo Rei D. Manuel que em 1512 lhe deu novo foral.rnrnDepois de extinta a Ordem Militar dos Templários em 1311, D. Dinis criou a Ordem de Cristo, à qual doou esta vila (comenda de S. Mamede de Mogadouro), que tinha sido propriedade dos Templários. De entre esses bens destacava-se o castelo. Assenta esse monumento sobre um Castro Neolítico, com certeza Romanizado. Esta Fortaleza, que desde a fundação da nacionalidade teve um papel muito importante nas defesas das fronteiras durante as guerras com Leão e Castela, que se prolongaram ao longo da história de Portugal até 1762, sofreu várias reconstruções com os Távoras (alcaides-mores, que já no séc. XV mandaram edificar um soberbo palácio, tendo como senhores de Mogadouro assumido um importante papel na defesa de Trás-os-Montes durante a longa guerra da Independência) e, ainda hoje, as suas muralhas e a sua torre de menagem são uma preciosa relíquia da arquitectura militar medieval.Em 1509 Duarte D’Armas desenhou o castelo.Em 1559, foi instituída a Misericórdia local.